Desvende os charmes históricos do Peru colonial em sua viagem para Lima

A beleza de Lima e de seu centro histórico fascina qualquer amante de arquitetura.O Peru já é um dos países mais visitados do mundo. Na América Latina, são muitos os turistas, dos mais variados locais e origens, que fazem uma viagem para Lima, sua capital. Hoje, a cidade é o maior polo turístico latino-americano, recebendo, segundo levantamento da Euromonitor de 2014, aproximadamente 3,7 milhões de visitantes todos os anos. Para se ter uma ideia, a cidade brasileira que mais recebe turistas – o Rio de Janeiro – recebe apenas 1,7 milhão, ou seja, menos que a metade da capital peruana.

Motivos não faltam para conhecer Lima. Desde seus magníficos restaurantes até sua vida cultural e artística agitada, ela é um belíssimo lugar que encanta qualquer tipo de viajante, tendo atrações que não deixarão ninguém entediado. Ainda assim, há um lado de Lima que se destaca mais, ofuscando, pelo menos num primeiro momento, todos os outros: trata-se de seu majestoso centro histórico, um dos maiores e mais bem preservados do mundo.

Se você é daqueles que não dispensam uma boa igreja, uma ruazinha charmosa, uma praça secular ou um palácio exuberante, tudo isso e mais um pouco terá em sua viagem para Lima. Basta colocar os tênis mais confortáveis, chegar cedinho e desbravar os encantos da capital peruana de ponta a ponta. Tombado pela UNESCO, o bairro histórico de Lima é um verdadeiro fascínio – e você vai entender o porquê nesse artigo.

Como tudo começou

A cidade de Lima começou em 1535, quando o conquistador espanhol Francisco Pizarro dominou os incas e tomou suas terras para a Coroa Espanhola. Pizarro escolheu o vale do rio Rímac (que, na língua dos quéchuas, é pronunciado “límac”, daí o nome Lima), para ser a capital do domínio espanhol no Novo Mundo, denominando-a primeiro de “Ciudad de los Reyes” (ou “Cidade dos Reis”).

Foi só sete anos depois, contudo, que Lima começou a florescer. Até então, Lima era apenas um assentamento espanhol, mas, quando ela foi eleita, em 1542, capital do Vice-Reino do Peru, a Coroa passou a investir em monumentos e edifícios à altura das principais cidades europeias e metropolitanas. Graças à posição de destaque de Lima na América espanhola, era ali que as rotas comerciais e os bens produzidos e extraídos no Novo Mundo se encontravam, antes de partirem para a Espanha. Isso fez com que a cidade se tornasse um núcleo político, econômico e cultural da América espanhola, influenciando e exercendo poder sobre todas as demais cidades.

Claro que não foram só tempos bons. No século XVII, a América Espanhola (e inclusive a Portuguesa) passava por sérias turbulências políticas e defensivas com a invasão de piratas, em sua maioria financiados por outras Coroas, como a holandesa e a britânica. Isso culminou na construção de muralhas que hoje não mais existem, mas foram cruciais para a proteção do tesouro colonial de Lima até a independência do Peru.

Extravagância e luxo

E que tesouro! Por ser a terra do vice-rei, Lima ganhou muito mais do que meros sobradinhos e igrejinhas. Não, Lima ganhou um verdadeiro patrimônio colonial, cheio de luxos, elegância, requinte e sofisticação – num equilíbrio entre extravagância e suntuosidade que justifica sua fama mundial.

O ápice da arquitetura vice-real são os chamados balcões de Lima, isto é, grandes balcões de madeira que se debruçam sobre as ruas e que tinham finalidade cerimonial. Acredita-se que haja 1600 balcões desse tipo na cidade – nem mesmo se você fizer uma viagem para Lima de um ano, você vai conseguir encontrar todos!

Sem dúvidas, um dos palácios mais elegantes e poderosos da Lima colonial é o Torre Tagle, uma mansão do começo do século XVIII que é hoje a sede do Ministério das Relações Exteriores do Peru. São no total dois balcões nesse palácio, que dominam a paisagem local. Sua fachada rosa, com um portão todo pesado e majestoso, e seus entalhes complementam o charme, por isso esse é um lugar imperdível no centro histórico limeño.

Igrejas e religiosidade

E não é só de grandes balcões que vive Lima. A religiosidade impera na antiga capital vice-real do Peru, que se tornou um importante centro de propagação dos valores cristãos em toda a América Latina. A Catedral de Lima, de origem seiscentista, é um dos muitos templos que foram erguidos na cidade, destacando-se pelos traços barrocos cheios de charme. O portão principal – a Portada del Perdón – é um dos lugares mais importantes do templo, sendo repleto de imagens e emanando Fé.

E o Convento de São Francisco? Um símbolo peruano, esse convento, que é o maior da ordem franciscana nas Américas, data do século XVIII e também se destaca pelos traços barrocos. Tanto na fachada, com suas duas torres e seu pórtico, quanto nos claustros, a religiosidade transborda, e muitos turistas acabam se apaixonando por total.

Pois é, o centro histórico de Lima tem muitos motivos para as pessoas se apaixonarem. Faça uma viagem para Lima e descubra quais são!

Adoraríamos ver seus comentários

Comente/Avalie

Artigos Blog